20.3.06

Meu nome é Allan, sou integrante do CEDOC sobre Adolescer Vivendo com o Vírus HIV, estou realizando uma pesquisa sobre pais positivos e filhos negativos.

Esse texto que eu vou ta colocando tem a ver com o meu tema de pesquisa. Se você tiver aguém interessado em ajudar, dar criticas ou sujestões, deixe seu e-mail ou entre em contato no blog.

"Família e HIV-AIDS, derrubando a discriminação

Desde a sua identificação em 1984, o vírus causador da AIDS “Síndrome de Imunodeficiência Adquirida” vem sendo estudado e combatido com firmeza pela ciência. Na atualidade o portador do vírus HIV “Vírus da Imunodeficiência Humana”, encontra na terapia anti-retroviral um aliado, que se por um lado não consegue eliminar o vírus do organismo, coloca o soropositivo “pessoa que vive com o vírus HIV” na situação de portador de uma enfermidade crônica tratável.
Infelizmente, mesmo com os avanços obtidos no tratamento e com os meios de contágios identificados, a sociedade continua a evitar o soropositivo como se o mero contato social fosse capaz de transmitir o vírus, o que infelizmente coloca a pessoa portadora do HIV frente a dois desafios: um seria manter o seu estado de saúde e por outro lado lutar contra o preconceito e a discriminação da sociedade que ainda confunde a evitação do vírus com a evitação do portador do vírus, como se pessoa e vírus fossem a mesma coisa, fundidos em um só estado de existência e identidade.
Devido ao choque que pode causar o diagnostico positivo para o HIV dentro da família, algumas pessoas escondem seu estado de saúde, na maioria dos casos por medo a uma reação negativa por parte dos familiares. Por outro lado o apoio da família afeta de maneira positiva a auto-estima, a autoconfiança e a auto-imagem do soropositivo e trás benefícios ao tratamento, fortalecendo o sujeito e o preparando para dar continuidade a sua vida, já que ser portador do HIV não é motivo para aposentadorias, trancamento de matriculas de estudo, abandono de atividades sociais, entre outros.
A aceitação do sujeito e a troca de informações dentro da família geram um apoio emocional que fomenta a adesão ao tratamento e diminui o nível de estresse, que tem influencia direta na ação do sistema nervoso central, que é responsável pela ativação das defesas do organismo e, sobretudo possibilitam a expressão de emoções e sentimentos que são comuns às pessoas de diagnóstico positivo para o HIV, tais como, a depressão, a culpa, a raiva a negação. A família surge então como um espaço de proteção e contenção, tanto físico como emocional.
A família bem informada sabe que o vírus HIV não se transmite no contato social, ou seja, através de ações comuns do dia a dia. Se você convive com uma pessoa soropositiva, saiba que o vírus não se transmite através do uso de copos, talhares, pratos ou outros objetos que se utilizam para a alimentação. A utilização do mesmo vaso sanitário, chuveiros, bancos, cadeiras não coloca os familiares em contato com o vírus. Beijo, abraço, suor, lagrimas, tosse, espirro intercambio de roupa não se meios de contagio. A demais é fundamental que os familiares se informem sobre as características do HIV, do aceso gratuito aos exames e tratamento no sistema publico de saúde, assim como de seus efeitos colaterais dos medicamentos.
Se você tem um portador do HIV na sua família, ame-o, respeite-o, o que mudou nele foi a sorologia, um aspecto do seu sistema imunológico, não seu caráter, sua identidade ou sua forma de amar os seus familiares. Não deixe que o preconceito e a discriminação falem mais alto que o amor e a amizade, as doenças são parte da vida, assim como a alegria e a saúde, e lembre-se existe tanta dignidade na saúde como na doença. A doença não é a representante do lado escuro da vida, é um aspecto dela, nem mais nem menos que isto."

Texto de: Paulo Bonança, Psicólogo C.R.P 05- 30190.
Diplomado em Sexualidade Humana pela Universidade Diego Portales- Chile-
Membro da Sociedade Brasileira de estudos Sexualidade Humana SBRASH
Autor da Tese “A AIDS entre os homossexuais; A confissão da soropositividade ao interior da família”.

6 comentários:

Igor disse...

Oi Allan, Parabéns pelo trabalho!!
Tenho uma amiga que é soropositiva e tem 2 filhos soronegativos, vou indicar a ela seu texto!! Quem sabe ela não pode te dar uma entrevista?? Abraço!

allan disse...

muito obrigado e espéro que vc consiga o depoimento.

Igor disse...

Oi Allan, td bem??
A minha amiga topou dar entrevista, mande e-mail para ela. Vou te passar as informações pelo seu e-mail pode ser?? qq coisa entre em contato comigo, meu endereço é: igor_flc@yahoo.com.br

abraços

Anônimo disse...

Very pretty design! Keep up the good work. Thanks.
»

Anônimo disse...

Interesting website with a lot of resources and detailed explanations.
»

Anônimo disse...

I find some information here.