14.6.07

O CAMAROTE SOLIDÁRIO DA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS DA AIDS, NA PARADA, ARRECADOU + de 1 TONELADA DE ALIMENTOS

Estamos muito felizes com o resultado do camarote Solidário da Agência de Notícias da Aids em parceria com o Conjunto Nacional!!!
400 convidados trouxeram, cada um, três quilos de mantimentos. E cada um deles recebeu uma fita rosa das mãos de uma das jovens do CEDOC.
Essa tonelada de alimentos será destinada à Casa de Apoio Brenda Lee, uma das mais importantes e sérias do Brasil. Segue texto da Agência sobre a casa.
"A Casa de Apoio Brenda Lee abriga atualmente 22 moradores e ainda auxilia, com cesta básica, transgêneros que estão em dificuldade financeira. A quantidade arrecadada foi entregue nesta terça e, segundo os administradores da Casa de Apoio, deve ajudar a manutenção dos moradores por cerca de seis meses. Conheça abaixo o histórico da instituição não-governamental. Casa Brenda Lee.
A Casa de Apoio Brenda Lee foi criada por Cícero Caetano Leonardo, conhecido por Caetana e depois por Brenda Lee, que recebeu em sua casa, no ano de 1984, o primeiro paciente portador do vírus HIV, encaminhado pelo Hospital Emílio Ribas. A residência até então era denominada Palácio das Princesas. Assim, ele iniciou o trabalho de acolher os soropositivos que estavam no estágio de "pacientes sociais" ou seja, pacientes que já não necessitavam de internação em hospitais e que por isso não poderiam permanecer ocupando aquelas vagas, mas que, mesmo impossibilitados de exercer uma ocupação profissional, necessitavam de acompanhamento médico diário, muitas vezes em suas próprias residências. Em muitos casos, os pacientes sociais se viam rejeitados por suas próprias famílias.
Vale lembrar que no início dos anos 1980 a informação sobre a AIDS era escassa, com fontes sérias sugerindo possibilidades de transmissão via beijos e picadas de mosquito, as quais depois seriam descartadas. Nesse ambiente de incerteza, Brenda Lee teve um papel pioneiro no combate à AIDS junto a um público marginalizado pela sociedade.Em 1986, surgiu a denominação Casa de Apoio Brenda Lee, com o objetivo de dar assistência médica, social, moral e material às pessoas necessitadas, portadoras do vírus HIV e doentes de AIDS, sem distinção de raça, nacionalidade, condição social, religião ou cor.
Os pacientes eram, na época, principalmente travestis com Aids e/ou vítimas de violência.Após a morte de Brenda Lee, assassinada em 28 de maio de 1996, com a ajuda de amigos e de órgão oficial, a sede foi comprada da família de Cícero Caetano, que herdou o imóvel e desde então tem sido administrada por uma diretoria executiva – formada por 5 membros, por um conselho fiscal com 3 membros e por um conselho consultivo – formado por 15 membros. Desde 2003, a Casa passou a ter, no máximo, 26 moradores, de acordo com as regras estabelecidas pela Vigilância Sanitária do Estado de São Paulo.
Em outubro de 2004, é adquirido um terreno de 404 m2, em frente à sede atual, que fica na rua Major Diogo, 779. O pagamento foi efetuado à vista com escritura em nome da Instituição Casa de Apoio Brenda Lee. Durante os últimos 3 meses de 2003 e no ano de 2004, a Casa conseguiu um financiamento para a manutenção de sua estrutura, por meio do Programa Nacional DST/Aids – Unesco e a aquisição do terreno somente foi possível com a ajuda financeira de amigos e da comunidade.Atualmente, a manutenção da Casa vem ocorrendo graças à ajuda financeira de amigos doadores, pessoas física e jurídica; aos alimentos, produtos de limpeza e higiene, recebidos da comunidade;e por meio de um brechó onde são comercializados produtos recebidos em doação.Redação da Agência de Notícias da Aids"

Um comentário:

Rosa Pink disse...

Fiquei lllllloooookinha para intrar nesse camorte!!!!!!!! joguei no google achei ocês! parabéns! ano que vem corro aqui antes hem?